MetrôFaculdade PitágorasJornal Online

Zapping

24/05/2009 | Por

voltar para a homepage

Os Oblongs: deformidades do social

O escárnio se dá por percebermos que o mundo é que deforma o indivíduo ou, ainda, que possui as maiores deformidades

““A série de animação adulta Os Oblongs (The Oblongs) é a combinação perfeita entre humor negro, reflexão sobre a atual sociedade e crítica ao estilo americano de viver. Lançada nos EUA pela Warner Bros, em 2001 e, obviamente, cancelada no mesmo ano, a série durou apenas uma temporada, com 13 capítulos. Criada por Angus Oblong, 87 anos, a partir dos personagens do seu livro Creepy Susie and 13 other tragic tales for troubled children, algo como “Susie Sinistra e outros treze contos trágicos de crianças problemáticas”, em tradução livre, foi transmitida no Brasil, há 4 anos, nas madrugadas do SBT. Hoje, marca presença no Cartoon Network, no bloco Adult Swim, desde 2002.  A animação abala todos os conceitos que temos de famílias politicamente incorretas como The Simpsons, Family Guy e American Deaddy.

O olhar que lançamos para as demais séries de animação não deve ser o mesmo para Os Oblongs. Nas demais, a família sempre é o tom fora de hora, seus personagens são dissonantes em relação a um mundo dito normal e sua escatologia extravasa os limites da sua célula familiar, exibindo sua cômica anomalia social. Em Os Oblongs a anomalia não é emocional, mas física, visível, tangível e, por isso, incômoda porque não esconde a verdade. No primeiro olhar, percebe-se que não se trata de uma família normal. Diferente dos personagens das outras séries, em que são descobertos a cada diálogo, ação, enredo.

O pai desprovido de membros e a mãe careca, tísica, alcoólatra e viciada em cigarros protagonizam cenas de pura paixão carnal. Os filhos mais velhos são siameses, possuem três pernas, brigam pela perna do meio e são completamente diferentes um do outro: um é agitado e esportista, o outro calmo e zen. Quando um precisa de privacidade ou realizar atividades como natação, o outro entra em coma. A caçula, aparentemente a mais equilibrada, possui um tumor róseo na cabeça. A avó da família está em estado vegetativo, nada fala, baba o tempo todo, emite sons de flatulência e muitas vezes é atirada ao chão e de escadarias nas mais diversas situações. Nem o cão e o gato da família escapam: um é narcoléptico por ter sido cobaia de experiências com pesticidas, e o outro é fumante.

Milo é o filho do meio. Caolho, cabeça grande, um fio de cabelo, sente falta de atenção e possui problemas emocionais profundos, é um belo caso para psicopedagogos. A roda de amigos de Milo inclui uma gótica com impulsos suicidas, uma garota sem maxilar com sérias dificuldades de dicção e uma garota obesa mórbida com aparência de um batráquio que jura ser linda e aceita socialmente.

Em oposição a estes personagens estão os donos da fábrica, ricos e pais da patricinha Debbie. As Debbies são um grupo de garotas fúteis seguidoras da patricinha e, como verdadeiras barbies, representam a perfeição física, a plena aceitação social e a pura falta de personalidade. Os maniqueísmos se sucedem na série, criam contrastes e abrem espaço para o conflito e para o humor: feios e belos, pobres e ricos, perfeitos e imperfeitos, empregados e patrões.

Os Oblongs e seus amigos, mesmo cheios de conflitos, não se abalam com sua condição. São superiores, otimistas, felizes, sem limitações, tão unidos que parecem se fundir uns aos outros. O que o autor da série faz é mostrar que a sociedade é anômala e não Os Oblongs e que a escatologia vem de fora para dentro da família. O escárnio se dá por percebermos que o mundo é que deforma o indivíduo ou, ainda, que possui as maiores deformidades e se incomoda em vê-las presentificadas numa série que foi abolida da TV americana.

 




Mais matérias: Zapping

Comentários:

1. Ana Cláudia da Silva (18/12/2009):
Quando passava no SBT eu adorava essa série, pois é exatamente o espelho da nossa realidade e sociedade, é um desenho muito a frente desses desenhos que tudo é cor de rosa, fora o humor que era show, pena que acabou e onde moro não pega tv fechada...

2. Benito roberto furtado vieira (01/12/2009):
caralho velho e o melhor desenho q ja vi, pena q naum passa mas na sbt os oblongs esta salvando essa era de desenhos fracos q passao na tv,muito loco pela sua realidade cruel e fria com comedia combinaçao perfeita.

3. Lucas (15/09/2009):
É uma boa série , mas o problema é que olhando logo de primeira o seriado , você se choca com o conteúdo apresentado ! Por isso o motivo de ter abolido a série , porque Os Oblongs é um tipo de animação adulta que mostra uma situação que ninguém quer ver !

4. FADRINI (16/07/2009):
sempre que eu tinha chanche eu assistia essa serie incrivel por que tudo que é bom só passa de madrugada o sbt (globo, record e band, devem ter programadores vampiros)

5. Paulo Athaide (29/05/2009):
Excelente análise. Sou fã do desenho e também acho que os americanos ainda são muito conservadores para aceitar autores e ousados como o Angus Oblong.

Faça seu comentário:


Warning: mysql_num_rows(): supplied argument is not a valid MySQL result resource in E:\Vhosts\pitagoraslondrina.com.br\httpdocs\metro\ler.php on line 285

Mais lidas do mês

Conheça a grade curricular do Curso de Direito

Conheça o PPC do Curso de Direito da Faculdade Pitágoras de Londrina

Conheça o PPC do Curso de Direito da Faculdade Pitágoras de Londrina

2007-2011 © Todos os direitos reservados | Faculdade Pitágoras Londrina | R. Edwy Taques de Araújo, 1100 | Fone +55 (43) 3373-7333
Tecnologia Cedilha Comunicação Digital *